Segunda, 04 de Julho de 2022
20°

Tempo aberto

Ponta Grossa - PR

Blogs e Colunas Doação

Quem doa sangue, doa vida

Análise de temas abordados no livro – LEON MAGNO Onde a lei não alcança.

23/03/2022 às 08h24 Atualizada em 23/03/2022 às 10h20
Por: Antonio Ribas
Compartilhe:
Quem doa sangue, doa vida

A FICÇÃO – Cap. 21
“O título desse capítulo é: UMA QUESTÃO DE FÉ e o leitor entenderá o porquê.
Numa conversa entre os dois amigos, Leon conta a seu médico Dr Marcus, algo místico sobre sua infância. Quando tinha 6 anos de idade, brincava com um amigo sobre uma pequena ponte de madeira, e começou a chover. O amigo correu pra casa já que temia sua mãe, mas o pequeno Átila ficou andando de um lado para outro e acabou caindo dentro do rio e a ponta do galho de uma árvore perfurou seu pulmão.

Após algumas horas chegou o socorro mas o menino tinha perdido muito sangue e já estava anoitecendo. O pai do menino trabalhava como vendedor e a mãe cuidava de um idoso, e só chegava em casa no final da tarde. Quando ela ficou sabendo do ocorrido, o menino estava no hospital e o médico estava preocupado porque não podia levá-lo à capital, mas também não conseguia doador para transfusão direta, já que teria que doar mais de dois litros de sangue seguidos.

A mãe estava desesperada e pediu ajuda aos céus para que aparecesse alguém que pudesse doar o sangue, mas a noite avançava e nada acontecia. Até após a meia-noite, entrou no hospital, um homem de aproximadamente 30 anos de idade e muito forte forte, e diz ao médico que quer doar o sangue para o menino. A mãe de Átila levanta as mãos para o céu e agradece a Deus dizendo: “Foi Deus quem te mandou aqui moço.” E ele responde “Todo o bem que fazemos ou recebemos, vem de Deus.”

O homem tem sangue AB negativo com fator RH também negativo mas na correria, o médico resolve correr o risco sem ao mesmo pensar nisso. O sangue é transferido e o menino é curado milagrosamente, mas assim que recebe o resultado que manda fazer e recebe alguns dias depois, ele fica atônito, pois o sangue do pequeno Átila é AB negativo e com fator RH negativo, mas o tipo sanguíneo de seus pais é Ó positivo e fator RH também positivo. De uma forma toda especial, Átila agora tem em seu corpo o sangue do misterioso doador.”


A REALIDADE
O título do artigo é fisicamente, cientificamente, e humanamente correto. Se quando perdemos muito sangue podemos morrer, o sangue é a nossa vida sim. Em algumas religiões e etnias, não se permite a transfusão de sangue porque de acordo com os seus  ensinamentos, aquele que recebe o sangue, passa a “viver a vida” do seu doador e perde sua própria identidade ou sua alma. Isso é discutível, mas se para se receber uma doação de sangue, doador e receptor devem ser compatíveis, eles já são bem parecidos.

A medicina e ciência deram um salto enorme quando se iniciou as transfusões sanguíneas. Há relatos históricos de transfusões sangue no século XVII mas foi a partir do século XX, especialmente durante a 2.a Guerra Mundial, quando para salvar a vida dos soldados e civis feridos surgiram os primeiros bancos de sangue. As guerras sempre foram motivadoras de doações de sangue, e quase sempre de forma voluntária.

Na Europa, onde houve maior número de guerras, as doações de sangue de forma voluntária e sem remuneração também era maior, já que seria desumano, cobrar pelo sangue que poderia salvar vidas e portanto uma honraria para seus doadores. No Brasil no entanto, com a ausência de guerras, os bancos de sangue foram criados para serem usados nas cirurgias de forma geral, partos e em caso de acidentes graves. Mas mesmo assim, em determinada época, houve o reembolso financeiro pelas doações, porém com o passar dos anos e das campanhas populares pelas doações, a maioria dos doadores, o faz por generosidade.

Apesar dos doadores de sangue que o fazem periodicamente, nunca é demais dizer sempre que é preciso aumentar o número desses heróis anônimos. Quem é saudável, não usa medicamentos contínuos, tem mais de 16 anos e menos de 70 anos, e que pesam mais do que 50 kg pode ser doador.

Se você ainda nunca fez uma doação, pode ser a hora de começar. Os hemocentros, os hospitais, os acidentados, enfim, os que precisarem do SEU sangue para ter uma sobrevida, lhe serão gratos eternamente, ainda que nunca venham a se conhecer. Se pensarmos que a vida de um desconhecido pode estar correndo dentro de nossas veias, é um ato de generosidade cristã, por Jesus disse: “Tudo que o que fizer a um desses pequeninos, é a Mim que o fareis.” Mt 25,40.

Para saber mais sobre essa história intrigante e bem-humorada, adquira e leia o livro –  “LEON MAGNO Onde a lei não alcança” – autor – Antonio Ribas (Ed Viseu 2019). Acesse o site www.antonioribas.net.br e saiba como adquirir.
Venda do livro físico:
– Em Ponta Grossa – Restaurante Panorâmico e Livrarias Curitiba.
– Em Siqueira Campos – Livraria Divina Misericórdia.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Antonio Ribas
Antonio Ribas
Sobre Antonio Ribas tem 61 anos, é casado com Marli, e tem 4 filhos e uma neta. É escritor e empresário. É também cantor religioso e missionário, e durante mais de 30 anos atuou em trabalhos na Igreja com a formação de jovens e de casais. Há pouco mais de 5 anos iniciou sua carreira de escritor com a publicação de um romance policial chamado - LEON MAGNO Onde a lei não alcança (2019 Editora Viseu) – e tem outro livro – MAHY-RA Uma lenda na Amazônia - que será publicado em meados de 2022.
Ponta Grossa - PR Atualizado às 09h50 - Fonte: ClimaTempo
20°
Tempo aberto

Mín. 13° Máx. 27°

Ter 26°C 12°C
Qua 26°C 12°C
Qui 28°C 13°C
Sex 25°C 12°C
Sáb 21°C 10°C
Enquete