Domingo, 26 de Maio de 2024
11°

Chuvas esparsas

Ponta Grossa, PR

Dólar
R$ 5,17
Euro
R$ 5,61
Peso Arg.
R$ 0,01
Senado Federal Senado Federal

Bittar pede voto de pesar pela morte de cunhado, que sofreu perseguição

O senador Marcio Bittar (União-AC) pediu, em pronunciamento no Plenário nesta terça-feira (16), voto de pesar pela morte de Amarilio Ferreira Júnio...

16/04/2024 às 17h38
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
 - Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado
- Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O senador Marcio Bittar (União-AC) pediu, em pronunciamento no Plenário nesta terça-feira (16), voto de pesar pela morte de Amarilio Ferreira Júnior, cunhado dele. O parlamentar disse que Amarilio foi companheiro de sua irmã por 48 anos e faleceu de câncer após quatro anos e meio de tratamento.

Bittar afirmou que o cunhado foi professor da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar), interior paulista, por mais de 30 anos, onde teria sofrido perseguições em seus últimos anos de vida. Segundo o senador, Amarilio foi uma referência política na luta pela democracia, “não fazendo concessões típicas do oportunismo e nem se dobrando a qualquer poder”.

No dia 5 de abril de 2024, Amarílio deveria ministrar a primeira aula para alunos da graduação da UFSCar, pois uma disciplina lhe fora atribuída enquanto lutava contra o câncer e contra a burocracia universitária, que [dificultou] seu afastamento para o tratamento oncológico que, desde a pandemia, ocorria em Campo Grande (MS). Sem consideração por um professor que poderia ter se aposentado desde 2014, esse poder burocrático o convocou para uma junta médica, que deveria ser realizada presencialmente no dia 2 de abril de 2024. Nesse mesmo dia, em Campo Grande, Amarílio foi hospitalizado, vindo a falecer no dia 3 de abril. [...] Amarílio deixa profundo vazio na sua geração, na sua família, em mim e nas centenas de jovens estudantes que o amaram. Ele deixa um legado de compromisso incondicional com a educação brasileira e a democracia. Deixa uma obra de fôlego como pesquisador do CNPq e também um legado como ser humano generoso, otimista, alto astral e apaixonado pelo Brasil.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários