Rudolf Polaco comemora operação do Gaeco na Prolar

 Rudolf Polaco comemora operação do Gaeco na Prolar

Ex-parlamentar foi autor da denúncia que levou o Grupamento a instaurar investigação em Ponta Grossa

Das assessorias

Ainda durante o mandato como vereador em Ponta Grossa, Rudolf Polaco (na época no PSL), levou uma denúncia ao Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (GAECO) envolvendo a Prolar (Companhia de Habitação de Ponta Grossa). Na época, o GAECO instaurou uma investigação que culminou nesta sexta-feira (19) no cumprimento de dois mandados de busca e apreensão contra diretores da Prolar.
Para Rudolf, a operação do Gaeco contra os diretores da Prolar é uma resposta importante das instituições diante dos “possíveis desvios” vistos dentro da Companhia. “Enquanto vereador vi coisas questionáveis acontecendo dentro da Prolar e como aquilo extrapolava a minha capacidade de fiscalizador, decidi levar o caso ao Gaeco para que a situação fosse efetivamente investigada”, contou Rudolf. 

Segundo o Gaeco, nesta sexta-feira (19) foram cumpridos dois mandados de busca e apreensão em investigação sobre possíveis crimes de peculato, supostamente praticados por ex-diretores-presidentes da Companhia de Habitação de Ponta Grossa (Prolar).

Os mandados foram expedidos pela 1ª Vara Criminal de Ponta Grossa e são cumpridos nas residências dos investigados. Além das buscas, também é cumprido mandado de afastamento do cargo de diretor jurídico da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar), atualmente ocupado por um dos ex-presidentes da Prolar.

“Acredito que a investigação tem que continuar e também acredito no Poder Judiciário para punir os possíveis culpados. O que não podemos mais aceitar é que instituições tão fundamentais, como é o caso da Prolar, sejam usadas em prol do benefício de alguns enquanto a população sofre sem a oferta necessária de casas populares”, destaca o ex-vereador.

Informações e imagens: Divulgação/Assessorias

Digiqole ad

Notícias Relacionadas