Reunião do CDEPG debate plano de imunização municipal

 Reunião do CDEPG debate plano de imunização municipal

Setores produtivos empresariais aguardam vacinação contra a Covid-19 para retorno da normalidade no desenvolvimento local

Das assessorias

Na última quarta-feira (27), o Conselho de Desenvolvimento Econômico de Ponta Grossa (CDEPG) realizou sua primeira reunião ordinária de 2021. Entre os demais assuntos da pauta como a eleição da próxima Mesa Diretora do CDEPG que acontece em março, o encontro contou com a presença do médico e presidente da Fundação Municipal de Saúde, Rodrigo Manjabosco, que discorreu sobre o plano de vacinação contra a Covid-19 em Ponta Grossa. 

Manjabosco explicou que nesta primeira leva de entrega de vacinas, iniciada no dia 20, foram 3.850 doses, que estão sendo destinadas para os profissionais da saúde. Ele conta que no último domingo Ponta Grossa já recebeu uma nova quantidade de doses em virtude das vacinas vindas da Índia e desenvolvidas por Oxford, somando mais 2.750 vacinas. 

O secretário de Saúde elucidou que também já acontece a vacinação dos serviços de apoio ao combate do novo coronavírus como os profissionais de UTI, que estão diretamente ligados ao atendimento dos pacientes com Covid-19 no Hospital Regional Universitário, dos profissionais do Samu que fazem o transporte destes pacientes, da UPA que trabalham na recepção e no encaminhamento dos pacientes para os hospitais, bem como os ligados ao atendimento de oncologia, nefrologia, neurologia e UTIs de hospitais privados que atendem Covid-19, contabilizando 3.392 doses aplicadas. “Já iniciamos também a vacinação dos profissionais que estarão na linha de frente da campanha de imunização e também avançamos na vacinação de servidores de pronto atendimento e de vigilância”, conta Manjabosco. 

Segundo o secretário, encerrando a imunização dos profissionais da saúde, inicia a vacinação dos pacientes com comorbidades e mais de 80 anos e assim por diante em camadas de faixas etárias, na vacinação geral da população. “Dependemos do envio da vacina para que a gente possa começar a campanha.  Já temos locais definidos, estamos com as equipes preparadas e treinadas, temos os insumos em estoques. Se chegarem 100 mil doses de vacinas, temos os insumos suficientes para começar a vacinação”, afirmou. 

Manjabosco explicou a diferença das vacinas. Segundo ele, a Coronavac tem 25 dias para ser aplicada a segunda dose, enquanto a vacina de Oxford a segunda dose é aplicada somente após três meses depois da primeira. O secretário acredita que a vacinação completa da população de Ponta Grossa deva acontecer ainda em 2021. “O Instituto Butantan hoje produz 550 mil doses por dia, isto é, ele teria capacidade para 750 mil doses, só não está fazendo por falta de insumos da China para a fabricação. Porém, se levar em conta as 550 mil doses, por semana podem ser produzidas cerca de 4,5 milhões de doses ao Ministério da Saúde. Teriamos a capacidade de vacinar de 3 a 6 mil pacientes se somadas com as vacinas da Oxford. Com 12 mil doses conseguimos vacinar todos os de mais de 80 anos”, salienta Manjabosco.

Para Wilson Oliveira, presidente do CDEPG, as informações reforçaram a esperança do breve retorno da normalidade do desenvolvimento local em virtude da vacinação da população. “Recebemos informações importantes que possibilitarão o planejamento dos setores produtivos empresariais para a volta da normalidade ocasionada pela vacina. Os dados passados por Manjabosco são esperados por meses pelo povo ponta-grossense”, comenta. 

Além da participação de Manjabosco, a reunião discutiu alterações na Lei que criou o CDEPG, bem como o Regimento Interno da entidade. Outro assunto discutido foi a realização da eleição da gestão 2021-2022 que está prevista para 10 de março, com posse a ser realizada no dia 31.

Informações e imagens: Divulgação/CDEPG

Digiqole ad

Notícias Relacionadas