Segunda, 04 de Julho de 2022
23°

Tempo aberto

Ponta Grossa - PR

Senado Federal Senado Federal

Jean Paul anuncia avanços no estudo de viabilidade do Porto de Natal

Em pronunciamento nessa quarta-feira (18), o senador Jean Paul Prates (PT-RN) anunciou ter conseguido viabilizar mais uma etapa na realização de es...

19/05/2022 às 09h10
Por: Redação Fonte: Agência Senado
Compartilhe:
Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado

Em pronunciamento nessa quarta-feira (18), o senador Jean Paul Prates (PT-RN) anunciou ter conseguido viabilizar mais uma etapa na realização de estudo de viabilidade técnica, econômica e ambiental para o Porto de Natal, que é operado pela Companhia Docas do Estado do Rio Grande do Norte (Codem). 

O parlamentar disse que desde 2015 vem trabalhando numa solução concreta para as instalações portuárias. A preocupação com a logística da chegada de equipamentos destinados à geração de energia eólica no Rio Grande do Norte, disse, começou em 2003, quando Jean Paul foi secretário estadual de Energia. O senador lembrou que hoje o estado acolhe grandes operadores mundiais e nacionais de energias renováveis e é o líder em geração de energia eólica no Brasil. 

Jean Paul informou que obteve apoio para o estudo sobre a viabilidade do Porto de Natal do então ministro da Infraestrutura Tarcísio Freitas. Agora, também a iniciativa privada vai participar dos estudos por meio da Confederação Nacional do Transporte (CNT). O senador elogiou o esforço conjunto que integra igualmente o governo do Rio Grande de Norte, entidades ambientais e órgãos ligados à atividade econômica. 

— Estamos muito felizes porque teremos finalmente condições de avaliar e de apresentar a investidores o resultado desse trabalho, que é o Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental do Porto de Natal, da expansão do porto de Natal.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários