HU-UEPG estabelece critério para escolha de pacientes que aguardam leitos de Covid-19

 HU-UEPG estabelece critério para escolha de pacientes que aguardam leitos de Covid-19

O protocolo é baseado nas orientações da Organização Mundial da Saúde, que definiu normas de atendimento em contextos de catástrofe

Das assessorias

Com o objetivo de salvar o maior número de vidas e continuar oferecendo o atendimento de qualidade aos pacientes internados, o Hospital da Universidade Estadual de Ponta Grossa (HU-UEPG), por meio do seu diretor técnico Ricardo Zanetti, propõe a adoção do “Protocolo de alocação de recursos”, da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. A instituição foi a primeira do Paraná a propor a medida, que tira das mãos do profissional de saúde a escolha de pacientes e a coloca sob regras preconizadas internacionalmente. 

Devido ao esgotamento de leitos de UTI Covid e Geral no HU e o aumento no número de casos, o protocolo estabelece critérios de escolha de pacientes que aguardam leitos de Covid-19. A medida deve amparar os profissionais da saúde, que não precisarão usar critérios subjetivos na decisão de atendimento de pacientes. Dessa forma, os atendimentos podem ser conduzidos de maneira ética, eximindo decisões emocionalmente exaustivas, de profissionais que já estão esgotados. O protocolo é baseado nas orientações da Organização Mundial da Saúde, que definiu normas de atendimento em contextos de catástrofe.

A proposta foi apresentada à Secretaria de Saúde do Estado (Sesa) e também à 3ª Regional de Saúde. Para que seja implementado, o protocolo precisa ser de conhecimento público e passar pela aprovação dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. O pronunciamento realizado na manhã de hoje (11), com a Prefeita de Ponta Grossa, Elizabeth Schmidt, autoridades da saúde e demais diretores de hospitais privados, também serviu para que os pontos do protocolo sejam amplamente divulgados e implantados com mais rapidez pelo poder público.

De acordo com Ricardo Zanetti, a proposta do protocolo é dura, mas é a correta para se adotar neste momento.  “É necessário aplicar um protocolo de aplicação de recursos, para que os princípios éticos e legais sejam cumpridos e para auxiliar a comunidade médica na tomada de decisão e assim salvar o maior número de vidas”. Zanetti enfatiza que a adoção do protocolo cabe não somente aos profissionais da saúde, mas também a todos os poderes do Estado, “a fim de que se aloquem corretamente os recursos nesse momento, os quais são escassos”. 

Com objetivo de manter a política de transparência do HU-UEPG, Zanetti apresentou os dados da pandemia no Hospital. De março de 2020 a fevereiro deste ano, foram 2321 pacientes atendidos na ala Covid, com 1848 recuperados. “Nosso objetivo é salvar o maior número de vidas possível”, ressalta. Para demonstrar o esforço dos profissionais para cumprir esse objetivo, o diretor mostra o número de pacientes críticos em internamento. São 39 pessoas internadas na UTI Covid, sendo 38 pessoas intubadas. Na UTI Geral, são 10 pacientes internados, sendo 08 em intubação. Já nos leitos de Pronto Atendimento, são 25 pessoas internadas, com 18 pessoas intubadas. 

A prefeita Elizabeth Schmidt abriu a coletiva realizada hoje (11) informando que a “situação atual é comparável a uma guerra”, devido à previsão de “aumento significativo de óbitos em nossa cidade e região”. Ela enfatizou que a Região dos Campos Gerais envolve mais de 600 mil pessoas e alertou que “não há negócio que pague uma vida”. “Ainda não é hora de voltarmos à normalidade”, enfatizou. “Soluções como abrir novos hospitais de campanha são inviáveis, principalmente agora que não há equipes de profissionais da saúde, equipamentos ou insumos”, disse. A prefeita asseverou que “estamos todos em risco, o uso intensivo dos recursos hospitalares deixou outras áreas descobertas, esse é um momento excepcional que exige medidas excepcionais”.

O Secretário Municipal de Saúde, Rodrigo Manjabosco, apresentou dados sobre a ocupação hospitalar, avanço de infecções pela variante brasileira e taxa de letalidade do vírus. “A cepa é extremamente agressiva, o que traz um período de internamento muito maior do que a cepa normal. Estamos trabalhando com internamento estendido de 14 a 15 dias, temos inclusive pacientes que entraram há 30 dias”. Nesse sentido, o Secretário complementou que “isso traz complicador de insumos e equipe, fazendo com que a capacidade dos hospitais esteja comprometida. Ou seja, não conseguimos ingressar novos pacientes porque os hospitais já estão lotados”. 

Manjabosco aproveitou para alertar que a população jovem também está sendo afetada. “Estamos internando uma população jovem e saudável, que muitas vezes vêm a óbito em decorrência do vírus. Muitos desses pacientes vêm já em estado grave, o que acarreta apenas medidas de tratamento paliativo”.

Em dois meses, o sistema hospitalar de Ponta Grossa já internou mais pacientes em comparação a 2020, o que demonstra a velocidade do vírus. De acordo com dados repassados pelo secretário, Ponta Grossa registrou 92 óbitos pela Covid-19 somente em fevereiro. O mês de março já chegou a 42 óbitos. “Com certeza passaremos da casa dos 92 óbitos, número que nos preocupa, porque os hospitais estão sentindo a pressão dessas mortes”. 

Robson Xavier, diretor da 3ª Regional de Saúde, iniciou sua fala contextualizando que esta não é somente uma realidade de Ponta Grossa, mas que também se extrapola pro estado. “Nós temos clareza que os níveis de contágio são resultado do comportamento social de cada um de nós. Se chegamos a esse estágio, temos a responsabilidade de diminuir a circulação de pessoas”. O diretor lembra que os hospitais não atendem somente pacientes que residem em na cidade, mas também precisam estar disponíveis para atender pessoas da macrorregião. 

O diretor observou que, ontem (10), na iminência de completar um ano da pandemia, o Brasil chegou a 2400 óbitos. Diante disso, Robson afirmou que duas medidas precisam ser tomadas: “ou vacinamos de forma emergencial ou realizamos um verdadeiro isolamento, conforme tem que ser realizado, não vamos vencer esta batalha. Os recursos são finitos”, disse. 

Se não houver vacinação em massa, não há entidade de saúde que consiga atender às demandas da população, segundo Xavier. “Não temos condições de vencer essa batalha sozinhos. Precisamos de toda a sociedade compreendendo a complexidade do momento e seguindo as medidas de contenção do coronavírus”.

Novos leitos

Em busca de oferecer o melhor atendimento possível à demanda da pandemia, a UEPG também estuda a possibilidade de abertura de novos leitos para pacientes com Covid-19. A instituição enviou o protocolo de intenções para a Sesa, com a solicitação de disponibilidade de insumos, equipamentos e equipes.

Campanha

O HU-UEPG está recebendo doações para reforço no atendimento a pacientes com Covid-19, para minimizar possível desabastecimento. Apesar de no momento não estar sem equipamentos e insumos, o Hospital trabalha com a possibilidade de falta de alguns recursos, no futuro.

Empresários e pessoas físicas podem doar quantias em dinheiro com depósito na conta da Caixa Econômica Federal, agência 3186, Operação 003, Conta 00000134-7, FAUEPG, CNPJ 08.574.460/0001-35. Para evitar que pessoas saudáveis vão até o HU-UEPG, as doações de produtos, suprimentos e equipamentos podem ser entregues na sede da Fauepg – Rua Siqueira Campos, 123, Uvaranas. A lista completa de produtos que podem ser doados ao Hospital pode ser solicitada inbox nas redes sociais da UEPG e do Hospital Universitário no Twitter, Instagram e Facebook e pelo e-mail reitoria@uepg.br

Desde o início da pandemia, o Hospital lança campanhas de conscientização para a sociedade, reforçando que ideias como ‘A saúde de todos está em suas mãos’, uso de medidas de biossegurança e higiene. A última campanha lançada pela instituição busca, ao mesmo tempo, valorizar o trabalho e dedicação dos profissionais de saúde dos hospitais da UEPG e conscientizar a população sobre as medidas para conter a pandemia, que atinge altos números na região neste início de 2021. As peças são personalizadas com o nome, profissão e setor onde o servidor trabalha: “Queremos que você conheça nossos profissionais só por foto”.

Informações e imagens: Divulgação/UEPG

Digiqole ad

Notícias Relacionadas