Exposição virtual mostra como era o ensino na colônia holandesa em Carambeí

 Exposição virtual mostra como era o ensino na colônia holandesa em Carambeí

A educação é um dos alicerces da imigração holandesa em Carambeí, ao lado do cooperativismo e da religião

Das assessorias

A data de 23 de março de 1911 anotada em um quadro negro que compõe o cenário da antiga escola de imigrantes, que fica na Casa da Memória do museu Parque Histórico de Carambeí, inspirou o Núcleo de História e Patrimônio a preparar uma exposição virtual com o tema Educar para prosseguir – a trajetória educacional na Colônia Carambeí. A mostra será lançada hoje (23) para comemorar os 100 anos da anotação e ficará disponível no site institucional pelo link www.aphc.com.br/educacao.

A educação é um dos alicerces da imigração holandesa em Carambeí, ao lado do cooperativismo e da religião. O curador da exposição Felipe Pedroso, historiador e coordenador cultural do Parque Histórico, com a ação digital pretende apresentar os caminhos percorridos pelo ensino na comunidade de imigrantes o que nota-se durante a visita ao museu com a reprodução de dois cenários de escola. O primeiro ambiente, que fica na Casa da Memória, divide espaço com a igreja e dependendo da ocasião era utilizado para culto ou para a formação dos alunos. A reprodução da escola da década de 1930, que fica na Vila Histórica, apresenta a educação dos filhos de imigrantes em um período em que o ensino começa a seguir o padrão nacional.

“A ideia de montar essa exposição virtual é para mostrar por meio de detalhes como ocorreu o processo educacional em Carambeí, que foi muito peculiar. Primeiro porque no início não seguia uma diretriz governamental, era um ensino informal administrado pelos próprios imigrantes de forma sazonal e multietária, centrado apenas na alfabetização dos filhos dos colonos, e obviamente em língua holandesa. Posteriormente vamos ter o ensino estruturado, dentro de um plano nacional de educação com imposição das aulas serem em língua portuguesa”, explica o historiador.

Felipe ainda relata que como o museu possui a exposição física fazer a transposição para o meio digital possibilitará explorar melhor o tema com o uso de novas ferramentas.  “Como já possuímos dois espaços com essa temática no museu, que representam os dois momentos da educação na colônia de imigrantes holandeses, optamos por transpor essa exposição para o virtual, onde também poderemos explorar mais as questões multimídias, com usos irrestritos de fotografias e vídeos”.

Informações e imagens: Divulgação/APHC

Digiqole ad

Notícias Relacionadas